Quarta-feira, 14 de Julho de 2010

RESORT 1 ESTRELA (NO PEITO)

http://sensoincomum.zip.net/images/auschwitz2.jpg

 

 


 

Roubaram a inscrição de Auschwitz, “O Trabalho Liberta”, o maior humor negro de sempre. Sei quem NÃO foi o ladrão: o presidente do Irão, para quem o Holocausto nunca existiu (é uma pena, mas ele corrigirá a incúria riscando Israel do mapa, com uma borracha, com cuspo ou empoleirado numa bomba, como o doutor Strangelove).

Tinha uns dias livres-pensadores e pensei: visito o Danúbio Azul ou ouço Mozart em Salzburg (o único lugar do mundo em que Mozart é kitsch). Visitei Auschwitz. Morbidez? Niilismo? Necrofilia? Não. Eis a sua lição: o horror que podemos infligir aos outros nunca terá limites. O que me dá calafrios, na verdade, é – com tal currículo - o nosso próximo horror. Parti de Cracóvia. Os Polacos não são nenhuns santos nessa história. Lech Walesa, a perder a Presidência, chamou ao rival “judeu”, como uma pronúncia excrementícia. Depois tergiversou com um sorriso amarelo: “Quem me dera ser judeu, pois teria mais dinheiro!” E pensar que fui demitido por um jornal de esquerda por defender o Solidarność, na época “evidentemente” um lacaio do imperialismo….

Há um autocarro chique mas não há placas a dizer Auschwitz. Transpomos um prédio com um snack-bar (lanchonete), um quiosque de fotos e uma bilheteira. Aí marcavam os prisioneiros com os números ignóbeis e indeléveis, rapavam-lhes o cabelo e a humanidade, e os oficiais escolhiam as escravas sexuais judias. Interroguei-me por que razão há um pavilhão destinado às vítimas de cada nacionalidade – mas os judeus não aparecem mencionados em lado nenhum. Pergunto a um guarda, com ar afável. Ele aponta o pavilhão 37, trancado com uma corrente. Lá dentro apodrece o espólio torpe dos judeus: os cabelos, as pernas de pau dos veteranos que lutaram  e sucumbiram pela Polónia na I Guerra Mundial, os sapatos desirmanados das crianças (que nunca ficaram apertados), os poucos dentes de ouro dos poucos que podiam pagar dentes auríferos (não, não eram piratas do Caribe).

O autocarro segue, mas não pára em Auschwitz III. Lá, foram escravos, entre outros, Primo Levi e Elie Wiesel. Saio e vou a pé. Chega-se a um portão novo, com arame farpado e guardas a sério com metralhadoras, hospitaleiros como Cérberos. O campo estava a bombear fuligem para o céu! Nunca foi fechado. I.G. Farben, a fábrica de produtos químicos que controlava o “trabalho” em Auschwitz, permaneceu a operar, alegando que tinha de pagar indenizações aos antigos escravos. OK, em termos de humor negro, empatou com a placa da entrada. Em 2004, prestes a ser obrigada a fazê-lo, abriu falência – mas não sem antes tirar da cartola a Agfa, a BASF, a Bayer e a Hoechst.

Vou-me embora com as unhas quase a cortarem as palmas  lívidas das mãos. Pergunto-me: seria eu capaz de limpar as câmaras de gás para me deixarem viver mais um mês? De encher os fornos?

 

(CRONICA PUBLICADA NA REVISTA DE DOMINGO DO CORREIO DA MANHÃ)

publicado por otransatlantico às 18:40
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Pedro Neves a 15 de Julho de 2010 às 15:33
Paulo, boa tarde,

Desculpe recorrer aos comentários, mas cremos que existe algum problema com os nossos e-mails.

Se não tiver recebido o meu último e-mail, a propósito do redesign do Transatlântico, envie-me um e-mail para pedroneves (arroba) sapo.pt

Obrigado!
De helena marques a 15 de Setembro de 2010 às 23:44
Gabo;lhe a coragem.

Em Maio li um dos primeiros livros que foram escritos sobre o Holocausto, s]ao cerca de 1700 pp, algumas testemunhas dizem Os alem]es eram maus, os polacos eram piores, mas os piores de todos eram os ucranianos, isto referindo;se ao gueto de Lodz.

Num dos [ultimos livros do David Lodge, que me tocou muito, dado que tambem estou a perder a audiç]ao, a idade n]ao perdoa, embora n]ao seja t]ao velha como o Lodge, tambem ele descreve uma visita a Auschiwitz, triste, como devem ser todas.

http://entertainment.timesonline.co.uk/tol/arts_and_entertainment/books/fiction/article3900713.ece

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30

.posts recentes

. ...

. E AGORA, COM VOCÊS, HITLE...

. “CONSIDEREI ESCREVER UM R...

. CLARO QUE ELE ADORA PITBU...

. PASSAGEM PARA A ÍNDIA

. O MESTRE MAGISTRAL

. MACACO É A SUA AVÓ!

. A MENSAGEM NUMA GARRAFA

. ALTA COSTURA E ALTA CULTU...

. AGENTE FINO É OUTRA COISA

. TREVAS AO MEIO-DIA

. ALICE NO PAÍS DAS MARAVIL...

. O TABACO SALVA!

. PINTAR O INSTANTE

. LEVANTADO DO CHÃO

. VAN GOGH PINTAVA O CANECO

. FAMA E INFÂMIA

. CASAIS DE ESCRITORES: PAL...

. O DONO DA VOZ

. LIVROS? DEUS ME LIVRE! 1 ...

. CHURCHILL E OS CHARUTOS

. O IMPACIENTE INGLÊS

. ENTREVISTA JAVIER CERCAS

. OSLO QUEBRA O GELO

. O APOLO DIONISÍACO

. O PAI DO SNOOPY

. O CACHIMBO PENSANTE

. ÇA VA?

. TRÊS ALEGRES TIGRES

. O ARCANJO OBSCENO

. RESORT 1 ESTRELA (NO PEIT...

. JACQUES, LE FATALISTE

. HITLER, MEU AMORZINHO

. O ETERNO RETORNO DO ETERN...

. ENTREVISTA: ALI SMITH

. O BARDO DO FARDO E O TROV...

. A MÚSICA DAS ESFERAS IV

. ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA D...

. SEXO E OUTRAS COISAS EMBA...

. ALI E ALÁ

. VIVA LA MUERTE?

. O BELO MALDITO

. REPERCUSSÃO DESTE BLOG!

. DEBAIXO DO VULCÃO

. PUSHKIN, O EMBAIXADOR E E...

. A ÚLTIMA CEIA DO MODERNIS...

. MAILER, VIDAL, CAVETT

. O REI DESTA SELVA VAI NU

. QUEM TEM K SEMPRE ESCAPA

. ENTREVISTA UMBERTO ECO

.arquivos

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

.tags

. todas as tags

.links

.subscrever feeds